19/06/2017 - 10:31

Melhor prevenção à obesidade deve começar ainda na infância

O que se recomenda é criar hábitos saudáveis.

Autor: Mariana Viana

Lavínia Dantas, com quase 2 anos, não consome nada que não seja adequado para sua idade. É o que afirma a mãe da criança, a fotógrafa Dayne Dantas. Segundo Dayne, existe uma preocupação imensa com relação ao desenvolvimento de obesidade infantil, por isso, é bastante criteriosa quando assunto é a alimentação da filha.

Foto/Gabriel Torres 

“Os cuidados que a gente tem é de não oferecer comida com condimentos industrializados, que contenham sal e açúcar, para que ela sinta o real saber dos alimentos. Nós (adultos) já temos o paladar viciado, as crianças não. Elas nascem sem saber o que sal e o que açúcar, o problema é que muitas pessoas acabam introduzindo esses produtos na vida delas erroneamente. A maioria das crianças que eu conheço já comem bala, doce, iorgute, mas ela não come nada disso, porque não é hábito”, afirma.

De acordo com Dayne, uma das formas de fazer sua filha gostar de alimentos saudáveis é não oferecendo o que não pode ser consumido. “Outra dica é sempre respeitar o tempo dos bebês e esperar que eles aceitem os alimentos de forma espontânea”, orienta. A fotógrafa utilizou ainda com Lavínia o método conhecido pela sigla BLW.


Foto/Dayne Dantas 


O método BLW teve o nome criado pela agente de saúde britânica Gill Rapley, autora do livro Baby-led Weaning: Helping Your Baby to Love Good Food (em tradução livre, Desmame guiado pelo bebê: ajudando seu filho a amar boa comida) e tem ganhado cada vez mais adeptos pelo mundo. A ideia principal é não oferecer um prato diferente aos bebês, mas, sim, deixar que eles se sentem à mesa e participem das refeições familiares já a partir dos 6 meses de vida. Os pais colocam os alimentos cortados ao alcance e eles escolhem quando e como levar os pedaços à boca.


Fonte: Diário do Povo