19/06/2017 - 11:10

Wellington pede que deputados falem bem do governo

Deputado peemedebista garante que governador não defende "Fora Temer".

Autor: Diário do Povo

Os deputados estaduais peemedebistas Themístocles Filho, João Mádison e Zé Santana estiveram reunidos, na quinta-feira passada no Palácio de Karnak, com o governador Wellington Dias tratando de assuntos de interesse do PMDB e do governo estadual. Wellington Dias pediu para que os aliados do PMDB mostrem o que está sendo feito no Estado e que as reformas que foram feitas anteriormente, como o congelamento do Teto do Gasto, estão aliviando a situação. A informação foi dada pelo deputado João Mádison.

Segundo o parlamentar peemedebista, o governador Wellington Dias pediu ainda que os novos aliados entendessem o arrocho que está fazendo com as despesas correntes, que tem que acontecer para dar uma possibilidade da administração estadual ficar sem problemas para realizar o pagamento da folha do funcionalismo.

João Mádison lembrou, ainda, que a parceria estadual entre o PMDB e o PT está viabilizando um bom diálogo entre o presidente Michel Temer e Wellington Dias. Para ele, Dias está feliz com a possibilidade das liberações dos empréstimos. Lembrou que o do valor de 600 milhões de reais, o governo piauiense vai assinar na próxima semana.

O deputado do PMDB considera que o alongamento da dívida do BNDES pode melhorar a economia do governo estadual. Ele anunciou que a partir de agosto, cerca de 300 milhões de reais da repatriação chegam ao Piauí.

“Eu acho que mesmo com todo os problemas, a economia do Piauí tem crescido. Nós temos melhorado o problema do desemprego. Nesse trimestre, agora, houve uma melhora. Então, eu acho que depende agora,também, dos políticos. Nós podemos estar dialogando sem pensar em 2018. Uma política passa e o Piauí continua. Temos que ter essa visão”, disse João Mádison.

A bandeira “Fora Temer” não é do Wellington Dias, afirma João Mádison. Ele disse que sabe que o governador tem o seu lado, o lado do PT, mas que Wellington Dias sabe que não é da maneira que a ala radical do Partido dos Trabalhadores quer fazer que irá conseguir apoio do governo federal.