02/10/2015 - 08:10
Créditos: Divulgação/Internet

Iphan estuda reconhecer literatura de cordel como patrimônio imaterial do povo brasileiro

No Piauí, 15 pessoas ligadas ao gênero foram entrevistadas

Autor: Jéssica Monteiro

PIAUÍ - O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), órgão ligado ao Ministério da Cultura, estuda reconhecer a literatura de cordel como patrimônio imaterial do povo brasileiro. Com a qualificação, o gênero de origem européia e tão típico do Nordeste brasileiro vai ganhar mais apoio governamental e, principalmente, vai ser mais acessível à pesquisa. 

A primeira parte do processo para o reconhecimento do estilo já está sendo realizada. Uma equipe de pesquisadores está viajando todos os estados do Nordeste, além dos estados do Rio de Janeiro e São Paulo, recolhendo informações sobre a atividade do cordelista. 


Arievaldo Viana, cordelista (Foto: Gabriel Tôrres/CT)


Arievaldo Viana, cordelista cearense de 47 anos, está trabalhando na pesquisa que dará embasamento ao trabalho do Iphan. No Piauí,? o poeta entrevistou 15 pessoas ligadas ao cordel e ficou bastante feliz com o resultado do trabalho. “Não é quantitativo, é uma coisa representativa equalitativa. Eu tenho quatro mulheres produzindo cordel aqui no estado e tenho casos também de gente bem jovem que está começando agora a produzir”, relata o cearense. 

O cearense lembra que a sua infância está ligada à história do cordel. Aos seis anos, Arievaldo foi alfabetizado com a ajuda do folhetim. “Eu percebi que ao longo desse período houve uma transformação muito grande, houve um momento em que o cordel foi considerado extinto”.

O que mudou, segundo a opinião do cordelista, foi a forma de apresentar o trabalho. “O cordel migrou das feiras. O público agora é outro, a forma de trabalhar e comercializar também mudaram. Hoje o cordel está dentro das escolas”, explica Arievaldo. Atualmente, o público da literatura é o universitário que está estudando o gênero e o aluno do ensino fundamental que está aprendendo a ler.