07/04/2017 - 11:00

“É um projeto divino”, diz Wânya Sales sobre a escola Dona Gal

Escola atende alunos de vários bairros de Teresina.

Autor: Thauanna Cavalcante

O projeto não é diferente de muitos que já vimos por aí, mas consegue algo inusitado: doar conhecimento, gentileza e amor a quem passa por ele. A Escola de Música Dona Gal, localizada na zona Norte de Teresina, é um projeto voluntário liderado pela musicista Wânya Sales, que oferece a jovens e adolescentes a oportunidade de aprender um novo instrumento. Existente há dois anos, a ação abriga hoje 1030 alunos das mais diversas regiões da cidade.

Foto/Gabriel Torres 

A escola começou depois que Wânya recebeu em sua casa, em um dia comum, uma doação anônima de nove violinos que vieram embalados em uma caixa. “Quando recebi a primeira coisa que me veio à cabeça foi: Por que nove violinos? Mas aí depois pensei: Vou abrir uma escola de música aqui em casa”, disse a musicista.

A escola começou com duas turmas na casa de Wânya Sales, de forma gratuita. O nome do local foi em homenagem à sua mãe, que sempre lhe incentivou a seguir pelo caminho música. Logo depois começaram a surgir professores voluntários e doação de instrumentos de pessoas da comunidade. Hoje, a escola conta com 30 professores voluntários.

A história de Wânya Sales ganhou os meios de comunicação local e depois foi para as TVs nacionais. A atitude da musicista chamou até a atenção do programa Caldeirão do Huck, da Globo, e em janeiro do ano passado, ela foi convidada para participar do quadro ‘Um por todos e todos por um’. Luciano Huck junto com sua equipe entregaram à violinista uma nova escola de música Dona Gal, toda reformada com espaço para aulas e novos instrumentos. 

Atualmente, a escola continua ativa na zona Norte da cidade, conta com uma ajuda de custo do Governo, mas se mantém com doações. O propósito do projeto é educar pela paz. A escola oferta cursos de violino, violoncelo, violão, contrabaixo, bateria, teclado, sanfona, percussão, canto, flauta doce, flauta transversal e musicalização infantil. O projeto pretende também criar um ponto cultural, abrindo portas também para a dança, teatro, artes circenses e outras.

Depois de tudo o que aconteceu, Wânya Sales classifica a Escola de Música Dona Gal como um projeto divino. “Eu não preparei, não calculei nada. Gosto de trabalhar para minha comunidade e nunca pedi nada em troca. Deus observa os filhos dele e dá ferramentas para que eles possam fazer um trabalho melhor. Toda nossa comunidade recebeu um projeto divino e eu ganhei uma responsabilidade”.

Projeto quer um espaço maior

Com mais de 1000 alunos matriculados, a grande necessidade da Escola de Música Dona Gal agora é um espaço maior para as aulas. Por isso, Wânya afirma que está à procura de um local que seja cedido ou em forma de comodato ou por algum empresário que queira fazer alguma doação. 

Outra possibilidade, segundo Wânya, seria uma escola ao lado de sua casa, que está desativada. O local é de competência do Governo do Estado. “Fizemos uma campanha na internet em forma de abaixo assinado para obter o máximo possível de aprovações e levar assim aos órgãos públicos. O objetivo é conseguir trabalhar no espaço que está desativado, caso a escola não funcione mais como instituição de ensino”, diz.

Enquanto a sede própria não é conquistada, Wânya diz que o projeto não está parado, pois continuam funcionando em sua casa as três salas do projeto. A parte de baixo da casa também já foi toda cedida para a Escola Dona Gal, sem contar que os alunos vão para a praça que tem próximo à Escola. 
 


Fonte: Diário do Povo